18 de jan de 2017

[conto] JORGE LUIS BORGES – O Punhal


.


PEDRO LUSO DE CARVALHO

JORGE LUIS BORGES (Jorge Francisco Isidoro Luis Borges) nasceu em Buenos Aires, Argentina, a 24 de agosto de 1899 e faleceu em Genebra, Suíça, em 14 de junho de 1986, aos 87 anos incompletos.
Borges escreveu uma extensa obra, abrangendo contos, não ficção e antologias. “Seus pequenos ensaios – diz André Maurois –, bastam para afirmá-lo grande, pelo brilho duma inteligência impressionante, a riqueza de invenção e o estilo cerrado, quase matemático”.
Diz mais, Maurois: “Aparenta-se com Kafka, Poe, às vezes com Wells, sempre Valéry pela brusca projeção de seus paradoxos dentro do que chamaram sua metafísica privada”.
María Esther Vázquez, biógrafa de Borges, diz: “A partir de 1933 Borges encontrou, quase sem perceber, seu verdadeiro destino na literatura: o conto, gênero que lhe daria fama mundial”.
No final dos anos 1950 até a sua morte – 1986 –, Borges fez muitas palestras e voltou a escrever poemas, já que sua deficiência visual dificultava sua escrita em prosa, fábula, ensaio e mitologia.
Segue o conto O Punhal, de Luis Carlos Borges (in Nova Antologia Pessoal/Jorge Luis Borges; tradução Davi Arrigucci Jr., Heloisa Jahn, Josely Vianna Baptista. – 1ª ed. São Paulo: Companhia Das Letras, 2013, p. 75-76):


        O PUNHAL
                 – JORGE LUIS BORGES
A Margarita Bunge


Numa gaveta há um punhal.
Foi forjado em Toledo, em fins do século passado. Luis Melián Lafinur deu-o a meu pai, que o trouxe do Uruguai; Evaristo Carriego uma vez segurou-o na mão.
Todos os que o veem precisam brincar um pouco com ele; percebe-se que há muito o procuravam; a mão se apressa em apertar a empunhadura que a espera; a lâmina obediente e poderosa participa com precisão dos movimentos.
Outra coisa quer o punhal.
Ele é mais que uma estrutura feita de metais; os homens o pensaram e lhe deram forma para um uso muito preciso; é, de algum modo eterno, o punhal que esta noite matou um homem Tacuarembó e os punhais que mataram César. Quer matar, quer derramar brusco sangue.
Numa gaveta da escrivaninha, entre blocos e cartas, interminavelmente sonha o punhal seu singelo sonho de tigre, e a mão se anima quando o controla porque o metal se anima, o metal que pressente em cada contato o homicida para quem o criaram os homens.
Às vezes me dá pena. Tanta dureza, tanta fé, tão serena ou inocente soberba, e os anos passam, inúteis.
        

  *   *   *


REFERÊNCIAS:
MAUROIS, André. De Aragon a Montherlant, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1967, p. 99.
VÁZQUEZ, María Esther. Jorge Luis Borges – Esplendor e derrota – Uma biografia. Rio de Janeiro: Record, 1966, p. 135.